• 05
    MAI

      Mamãe patinha e seus filhotinhos!   A lagoa estava em festa naquela linda manhã de domingo, pois era o dia da mamãe Patinha. Todos estavam felizes, brincando e aproveitando aquele belo dia de sol. Mas, de repente, algo aconteceu! Um dos patinhos da mamãe Patinha tinha sumido, e agora?   Todos ficaram preocupados, procurando por todos os lados e nada de ...

     

    Mamãe patinha e seus filhotinhos!

     

    A lagoa estava em festa naquela linda manhã de domingo, pois era o dia da mamãe Patinha. Todos estavam felizes, brincando e aproveitando aquele belo dia de sol. Mas, de repente, algo aconteceu! Um dos patinhos da mamãe Patinha tinha sumido, e agora?

     

    Todos ficaram preocupados, procurando por todos os lados e nada de achar, a mamãe Patinha estava bem triste, quase chorando...

     

    - E agora, onde foi parar meu patinho? – Ela se perguntou.

     

    - Não chore mamãe, é seu dia, não fique triste. – Falou um dos patinhos.

     

    - Todos vocês são muito importantes para mim, se falta um, falta um pedaço de mim também.

     

    Mamãe Patinha estava triste e não conseguia mais aproveitar com alegria o dia, o sol não brilhava tanto quanto antes, estava preocupada, onde estava seu patinho?

     

    - Não se preocupe mamãe, vou procurá-lo. – Falou outro patinho.

     

    - Não, de jeito nenhum, ninguém mais sairá de perto de mim. Será que vocês não entendem o quanto são preciosos para mim? Não suportarei perder outro patinho, ninguém sai de perto de mim!

     

    - Mas mamãe...

     

    - Sem mais, nem menos. Tive uma ideia, vamos todos juntinhos atrás do patinho que se perdeu.

     

    - Mas mamãe, é seu dia, a senhora tem que aproveitá-lo aqui na lagoa.

     

    - Deixa eu te contar um segredinho: mamãe nenhuma do mundo, de espécie alguma conseguirá aproveitar qualquer festa se algum de seus filhinhos estiver perdido, sozinho, longe, ou se estiver precisando dela, nenhuma mamãe, e muito menos eu! Vamos sair agora todos juntinhos, achá-lo o quanto antes e voltamos a tempo para aproveitar um pouco mais da lagoa.

     

    - Tá certo mamãe. – Os patinhos concordaram.

     

    E lá foram, todos juntinhos, a procura do patinho perdido, onde ele estaria?

     

    E então, de repente, o patinho perdido chegou na lagoa... Logo depois que a mamãe Patinha e seus irmãos patinhos tinham saído.

     

    - Onde estão todos? – Ele pensou.

     

    - Ei seu patinho treloso, onde estavas? Tua mamãe estava bem preocupada, toda triste e desanimada, foi a tua procura com os demais patinhos. – Falou um vagalume que tudo observava.

     

    O patinho ficou triste e tentou se explicar:

     

    - Fui pegar esse lindo bolo surpresa que pedi para a Dona Gansa fazer para a mamãe, não queria estragar a surpresa e por isso saí sem avisar.

     

    - Ah patinho, e agora? Onde será que foi parar sua mamãe e seus irmãos patinhos? – Perguntou o vagalume.

     

    - Não sei, vou atrás deles...

     

    - Não vá, poderá haver desencontros. O melhor é esperar, te acalma patinho.

     

    E ele esperou, esperou...

     

    - Olha, lá vem eles ali! – Avisou o vagalume.

     

    O patinho quando os viu de longe, correu ao encontro da mamãe, a mamãe quando o viu correu em sua direção e deram um abraço bem forte, a mamãe Patinha chorou e logo perguntou:

     

    - Onde estavas meu patinho? Te procuramos tanto!

     

    - Desculpe mamãe, fui pegar uma surpresa que mandei a Dona Gansa fazer para a Senhora.

     

    O patinho foi pegar o bolo, a mamãe Patinha ficou emocionada com tanto carinho e dedicação.

     

    - Ah meus patinhos, como sou feliz em ter vocês aqui pertinho de mim, a mamãe ama vocês mais do que tudo nessa vida!

     

    - Desculpe mamãe por ter te deixado preocupada neste dia tão especial.

     

    - Tudo bem meu patinho, assim que te vi tudo passou, meu coração se acalmou e tudo voltou ao normal. Agora vamos aproveitar o tempinho que nos resta neste lindo lago, comer esse delicioso bolo e dar muitos beijinhos e abraços. Pois sou muito mais feliz com todos pertinho de mim!

     

    E todos os patinhos se uniram em um círculo ao redor da mamãe Patinha e lhe deram um lindo e emocionante abraço mútuo.

     

    O vagalume que tudo observava, saiu voando feliz.

     

    - Ah, coisa boa é ter mãe! Vou voar ligeiro e ir ao encontro da minha mamãe para lhe dar um abraço bem apertado também, e você, já abraçou a sua mamãe hoje?

     

     

    MINÉIA PACHECO

    www.mineiapacheco.com.br

    Nossa missão é transmitir valores através de contos infantis.




    Avatar





    • Muito bom, parabéns pela história. Acesso seu site há anos, desde que minha primeira filha, hoje com 10 anos, era bem pequena. Hoke conto as histórias para as minhas duas filhas. A caçula adora e a mais velha continua encantada. Parabéns.

      RESPOSTA





    • Wow, that's what I was looking for, what a stuff! existing here at this web site, thanks admin of this web page.

      RESPOSTA





    • Conto lindo e delicado. Como tudo o que você escreve. Que nunca lhe falte inspirações. Sou sua fã :)

      RESPOSTA









    19
    JAN

    Pequenas atitudes geram grandes resultados! Estava muito quente naqueles dias, todos reclamavam do enorme calor, ventava pouco, as pessoas estavam ficando cada vez mais mal-humoradas. Ninguém tinha uma solução para o problema, todos só tinha reclamações a fazer... - Ah, não aguento mais tanto calor! – Falava Sr. Geraldo. - Eu também ...

    Pequenas atitudes geram grandes resultados!

     

    Estava muito quente naqueles dias, todos reclamavam do enorme calor, ventava pouco, as pessoas estavam ficando cada vez mais mal-humoradas.

     

    Ninguém tinha uma solução para o problema, todos só tinha reclamações a fazer...

     

    - Ah, não aguento mais tanto calor! – Falava Sr. Geraldo.

     

    - Eu também já não aguento este tempo quente e sem nenhum ventinho para nos refrescar. – Falava dona Maria.

     

    Júlia e Bianca já não aguentavam mais tantas reclamações.

     

    - O que vocês acham de ao invés de ficarmos só reclamando, fazermos algo para melhorar o clima do nosso planeta? – Falou Júlia, bem alto, para todos ouvirem.

     

    - Isso mesmo Júlia, vamos parar de reclamar e agir! – Falou Bianca.

     

    - Hahaha! – Sorriu Sr. Geraldo. Vocês pensam que é fácil assim? – Ele perguntou.

     

    - Pois é, vocês são crianças, não sabem o que estão falando! – Disse Dona Maria.

     

    Júlia e Bianca não gostaram nada do que o Sr. Geraldo e a Dona Maria falaram, elas sabiam que poderiam fazer algo, sabiam que poderiam de alguma forma melhorar o ambiente onde viviam...

     

     

    - Sabe Júlia, não vejo muitas árvores em nosso bairro, poderíamos plantar algumas mudas, claro que vai demorar um pouco para crescer e o resultado não será imediato, mas se não fizermos nada agora, pensando na demora do resultado do nosso esforço, a mudança que tanto queremos nunca virá! – Falou Bianca.

     

    -  Que ideia fantástica Júlia, vamos fazer agora mesmo a nossa parte para melhorar nosso planeta.

     

    E lá foram elas..., conseguiram em um jardim botânico mudas de algumas árvores, foram a alguns pontos da cidade e plantaram uma a uma, cada plantinha que receberam.

     

    Quando terminaram, sentiram-se satisfeitas com o resultado.

     

    Sr. Geraldo e Dona Maria olhavam-nas de longe...

     

    - Mas que meninas bobas, essas árvores irão demorar muito para crescer! – Falou Dona Maria.

     

    - Com certeza, demorarão e muito! – Falou Sr. Geraldo.

     

    Júlia e Bianca não se importaram com o que eles falaram.

     

    Outras crianças do bairro viram a atitude delas e resolveram também plantar algumas árvores pela cidade. Júlia e Bianca olhavam tudo muito felizes e satisfeitas!

     

    O tempo passou, as árvores cresceram, ficaram gigantes. Júlia e Bianca já não eram mais tão menininhas assim, mas elas estavam lá aproveitando e curtinho ao máximo a sombra e o vento fresco que as árvores lhes proporcionaram nos dias de sol e calor intenso. Se elas nunca tivessem tomado atitude, estariam até hoje sofrendo com o imenso calor.

     

    Sr. Geraldo e Dona Maria também estavam aproveitando a sombra e o ventinho gostoso que vinham das árvores.

     

    - Ei meninas, venham aqui! – Falou Sr. Geraldo.

     

    - Sabem, devemos confessar, se vocês tivessem nos escutado, não teríamos essa sombrinha agora. Vocês nos ensinaram uma grande lição naquele dia: pequenas atitudes, muita paciência e dedicação, podem nos levar a maravilhosos resultados. – Falou Sr. Geraldo.

     

    Elas estavam felizes, pois haviam contribuído na criação de um ambiente mais verde e ventilado. E agora, a cidade delas era uma das mais arborizadas do mundo, pois as árvores que elas e os amigos plantaram cresceram tão perfeitamente e lindamente pela cidade que a tornou uma das cidades mais verdes do planeta!

     

    E assim todos aprenderam que pequenas atitudes geram grandes resultados!  

     

    MINÉIA PACHECO

    www.mineiapacheco.com.br

    Nossa missão é transmitir valores através de contos infantis.




    Avatar





    • I loved this post! I rеa your blog fairtly often and you are аlways coming out with sоme great stuff. I ԝill shares this on my facebook, instagram and some of my loyalty followers. Great jobs! Keep work it with it.

      RESPOSTA





    • Thanks designed for sharing such a pleasant idea, piece of writing is good, thats why i have read it entirely

      RESPOSTA





    • If you are going for best contents like I do, only visit this website daily since it provides quality contents, thanks

      RESPOSTA









    25
    SET

    Vai passar! Carlinhos andava triste, desanimado, sem vontade de brincar e sem conversar com os amigos, todos estavam achando muito estranho esse comportamento do amigo, já que ele sempre foi muito animado e conversador. - Oi Carlinhos, o que anda acontecendo com você? estamos te achando tão triste ultimamente. – Perguntou July, sua amiga de sala. Mas Carlinhos nã ...

    Vai passar!

     

    Carlinhos andava triste, desanimado, sem vontade de brincar e sem conversar com os amigos, todos estavam achando muito estranho esse comportamento do amigo, já que ele sempre foi muito animado e conversador.

     

    - Oi Carlinhos, o que anda acontecendo com você? estamos te achando tão triste ultimamente. – Perguntou July, sua amiga de sala.

     

    Mas Carlinhos não queria conversar, continuou triste e não falou com ninguém.

     

    - Gente, precisamos fazer alguma coisa para ajudar nosso amigo Carlinhos, não estou gostando nada nada desse jeitinho triste dele. – Falou July.

     

    - Concordo com você July, falou Renan, ele sempre foi tão alegre e brincalhão, e de repente ficou triste assim... tem algo estranho acontecendo.

     

    - Isso amigos, vamos juntos ajudar nosso amigo. – Falou Gaby.

     

    Naquele mesmo dia, os amigos se reuniram na casa de Gaby para tentar alguma solução, e assim, tirá-lo de toda aquela tristeza que não combinava nada com ele.

     

    - Poderíamos fazer um show de piadas na sala de aula, cada um contaria uma, agora tem que ser muito engraçada, tenho certeza que Carlinhos irá rir muito. – Sugeriu Renan.

     

    Todos concordaram.

     

    No dia seguinte, falaram com a professora o que pretendiam fazer, a professora achou uma ótima ideia, ficou até emocionada ao ver os amigos tentando ajudar Carlinhos.

     

    Iniciaram o show de piadas na sala de aula, cada piada mais engraçada que a outra, os alunos e até a professora riram tanto, mas Carlinhos não achava graça em nada. Os amigos ficaram triste, não conseguiram fazer o amigo rir.

     

    A professora os chamou e disse:

     

    - Não fiquem tristes crianças, vocês tiveram uma atitude muito linda se preocupando com o amigo, criando esse show de piadas para fazê-lo sorrir, mas sugiro a vocês que agora vão e conversem com ele, quem sabe ele não esteja um pouco melhor e lhes conte o que anda acontecendo?

     

    As crianças aceitaram a sugestão, mas July sugeriu essa conversa em um lugar muito especial... os demais amigos concordaram.

     

    No dia seguinte, os amigos passaram logo cedo na casa de Carlinhos, chamaram-no e o levaram para fazer um piquenique em um lindo parque que ficava próximo à casa deles.

     

    - Bem, estamos aqui para juntos fazermos algo diferente entre amigos, falou Gaby.

     

    Carlinhos olhava para tudo muito surpreso, estava se sentindo muito melhor naquele lugar, ao ar livre, com os amigos, então falou:

     

    - Nossa amigos! Estou me sentindo tão feliz aqui, coisa que há alguns dias não sentia, andava triste, sem saber o porquê, não sei explicar, mas o carinho, a atenção e o amor de vocês fizeram renascer em mim o Carlinhos que sempre existiu.

     

    - Que bom meu amigo, falou Renan, saiba que você pode sempre contar conosco, e fico muito feliz em saber que fizemos você se sentir melhor.

     

    - Estou muito melhor! Olha que dia lindo! – Falou Carlinhos.

     

    - Sabe Carlinhos, nem todos os dias são felizes, há dias muito alegres e dias nem tão alegres assim, mas fique certo que, nos dias em que a gente acordar um pouco triste, devemos ter a certeza que vai passar...

     

    - Verdade, você teve uns dias tristes, mas passou, pronto! Dias alegres sempre voltam, tudo que é ruim passa... – Falou Gaby.

     

    - E como passa! Vocês são os melhores amigos que alguém pode ter! - Falou Carlinhos.

     

     - Agora, vamos comer! O que você trouxe nessa cestinha July? – Perguntou Renan.

     

    - Um delicioso bolo de chocolate! – Ela respondeu.

     

    - Hummmmmmmm! – Falaram Carlinhos, Gaby e Renan

     

    E aquela foi uma manhã diferente, Carlinhos compreendeu que toda tristeza passa, que a vida é repleta de alegria e que ter amigos de verdade por perto faz tudo ficar mais fácil.

     

    Eles comemoraram comendo uma bela torta de chocolate!

     

    Toda tristeza passa...

     

    MINÉIA PACHECO

    www.mineiapacheco.com.br

    Nossa missão é transmitir valores através de contos infantis.




    Avatar












  • 28
    ABR

    Por que fica de dia e de noite? Luiza andava muito curiosa, tudo ela queria saber o porquê, e o papai sempre com muita paciência tentava esclarecer todas as suas dúvidas. Até que um dia ela chegou ao papai e perguntou? - Por que fica de dia e de noite? O papai respondeu: - Fica de dia e de noite por causa do movimento de rotação Luiza. - Movimento de qu ...

    Por que fica de dia e de noite?

     

    Luiza andava muito curiosa, tudo ela queria saber o porquê, e o papai sempre com muita paciência tentava esclarecer todas as suas dúvidas. Até que um dia ela chegou ao papai e perguntou?

     

    - Por que fica de dia e de noite?

     

    O papai respondeu:

     

    - Fica de dia e de noite por causa do movimento de rotação Luiza.

     

    - Movimento de quê papai? – Ela perguntou confusa.

     

    Luiza só tinha três aninhos, ops! quase quatro como ela mesma gostava de deixar bem claro, por isso não entendia muito bem algumas palavras, e por isso, o pai pacientemente foi explicar.

     

    - Chama-se movimento de rotação filha, é um movimento que a terra faz em torno de si mesma.

     

    Mas quanto mais o pai falava, mais ela ficava confusa.

     

    - Veja bem, que fruta é essa que o papai está segurado?

     

    - Ah, isso é fácil, é uma maçã.

     

    - Isso garota, veja este movimento que faço com a maçã, estou girando ela em torno de si mesma. É desse mesmo jeitinho que a terra, o planeta onde nós vivemos, faz.

     

    - Ah! Agora começo a entender, mas ainda não sei por que fica de dia e de noite.

     

    - A terra demora 24 horas para dar uma volta completa em torno de si mesma, ou seja, demora 1 dia.

     

    - Uau, tudo isso papai?

     

    - Sim, tudo isso, agora preste bem atenção no que vou te falar agora.

     

    Luiza estava super concentrada com olhos e ouvidos bem atentos.

     

    Então o pai continuou...

     

    - Quando uma parte da terra fica do lado do sol, essa região fica de dia; e a outra parte que fica oposta ao sol fica de noite. Então, uma parte da terra é dia e a outra parte é noite. Você entendeu Luiza?

     

    - Sim papai, entendi tudinho.

     

    - Que bom filha!

     

    À noite, quando a mamãe chegou em casa, Luiza correu ao seu encontro com uma maçã na mão.

     

    - Mamãe, mamãe! – Ela gritava.

     

    - Oi filhinha, por que tão eufórica?

     

    - Olhe bem para esta maçã, certo?

     

    - Sim, certo. Estou vendo. – A mãe falou.

     

    - Ela é o nosso planeta terra. Ele gira em torno dele mesmo, como esta maçã está girando. Quando uma parte da terra está virada para o sol, essa região está de dia; e a outra parte que fica oposta ao sol fica de noite, e tem mais mamãe, uma volta completa dela dura 24horas e é chamado de movimento de ro-ro... Ih, esqueci essa palavrinha.

     

    - Seria movimento de rotação? – Perguntou a mãe.

     

    - Isso, movimento de rotação. Não é um máximo tudo isso mamãe?

     

    - Nossa! Filha. Estou fascinada com toda essa informação. Que máximo!

     

    - O papai me ensinou tudo isso hoje mamãe e eu aprendi bem direitinho, não foi papai?

     

    - Sim filha, e como aprendeu! Parabéns!

     

    - Agora papai, fiquei com uma dúvida, por que existem as estações do ano?

     

    - Ah filhinha! Isso já é assunto para outro dia...

     

    O papai e a mamãe riram.

     

    - Agora vá tomar banho que vamos jantar. – Falou a mãe

     

    Luiza saiu feliz, muito contente, como ela gostava de aprender coisas novas!

     

     

    MINÉIA PACHECO

    www.mineiapacheco.com.br

    Nossa missão é transmitir valores através de contos infantis.




    Avatar









    01
    NOV

      Lá na cidade grande, entre prédios enormes, carros passam pelas ruas apressadamente, as pessoas não andam, elas correm pelas ruas; nesta cidade nada pacata, viviam Seu Ratão e Dona Ratinha, um casal de ratinhos que nunca se adaptaram aos movimentos e as loucuras da cidade grande.   - Ratão meu querido, não aguento mais as loucuras dessa cidade, ...

     

    Lá na cidade grande, entre prédios enormes, carros passam pelas ruas apressadamente, as pessoas não andam, elas correm pelas ruas; nesta cidade nada pacata, viviam Seu Ratão e Dona Ratinha, um casal de ratinhos que nunca se adaptaram aos movimentos e as loucuras da cidade grande.

     

    - Ratão meu querido, não aguento mais as loucuras dessa cidade, não aguento mais ouvir tanto barulho das buzinas dos carros, das pessoas falando; não quero mais viver na cidade grande. Como vamos criar nossos filhinhos aqui nesta loucura?

     

    - Ouwn Ratinha, minha querida, não aguento mais também. Não é um ambiente assim que desejo criar nossos filhinhos.

     

     - Vamos embora ratão, vamos arrumar nossas malas e partir para viver no sítio, na cidade pequena, onde moram nossos primos. Vamos?

     

    - Mas ratinha, o caminho até lá é tão perigoso, precisaremos andar por essas ruas da cidade grande, e para nós que somos ratinhos tão pequeninos, é bem provável que não consigamos sobreviver e chegarmos vivos ao sítio.

     

    - Lá vem você e seus medos bobos! Se nós não estamos satisfeitos em morar nesta cidade tão grande, tão barulhenta e tão perigosa, o que nos impede de seguirmos viajem e irmos morar em um lugar tranquilo, cheio de paz, onde poderemos ter nossos ratinhos para que eles cresçam em um lugar seguro e tranquilo?

     

    - Eu tenho medo, muito medo de ser devorado por algum gato, de ser pego por alguma ratoeira...

     

    - Não, não, Ratão. Não precisa ter medo de nada! Juntos conseguiremos, vamos agora mesmo organizar nossa mudança, pois em alguns dias chegaremos no sítio.

     

    - Mas Ratinha...

     

    - Está decidido, vamos embora agora!

     

    Seu Ratão, mesmo com tanto medo em seguir viagem, apoiou a decisão da Dona Ratinha e foi ajudá-la a organizar a mudança. Passaram a noite embalando tudo, e no dia seguinte, bem cedinho, seguiram viagem...

     

    - Ratinha, você está certa disso? Não está nem um pouquinho com medo?

     

    - Não Ratão, não tenho medo, estamos juntos, temos que enfrentar nossos medos para conseguir alcançar o que tanto desejamos.

     

    - Você está certa minha Ratinha, sou o Ratão mais feliz do mundo por ter uma esposa como você.

     

    Deram um beijinho e seguiram para a estação de trem...

     

    Eram tantas pessoas nas ruas, tantos carros, tantas buzinas e toques de celulares que Seu Ratão e Dona Ratinha quase enlouqueceram, tentaram cortar caminho e entraram em uma ruazinha estreita e escura, mas silenciosa.

     

    - Ufa! Enfim um pouco de tranquilidade! (Falou dona Ratinha)

     

    Continuaram andando pela rua estreita e escura, e observaram alguns pontos de luz, foram andando, até que perceberam que aqueles pontos de luz eram os olhos de alguns gatos que brilhavam no escuro. Dona Ratinha ficou bastante assustada e não conseguia mais andar, Seu Ratão vendo-a com tanto medo, precisou ser forte, pegou na mão da Dona Ratinha e continuou andando...

     

    - Olhem bem o que temos aqui, hoje não passaremos fome! – Falou um dos gatos.

     

    Seu Ratão e Dona Ratinha tremiam com tanto medo.

     

    - Devem ser uma delícia, humm! – Falou o outro gato.

     

    Seu Ratão e Dona Ratinha não sabiam o que fazer, será que aquele seria o fim deles?

     

    Então eles se abraçaram e começaram a chorar, os gatos avançaram sobre eles e acabaram batendo a cabeça um no outro e caindo desmaiados no chão. Seu Ratão e Dona Ratinha não acreditaram no que tinha acontecido, mas antes que os gatos acordassem do desmaio eles resolveram correr, correram o mais rápido que puderam, até que enfim, chegaram à estação e conseguiram subir no trem que já estava de partida.

     

    Lá, já sentados, começaram a pensar no que tinha acontecido e riram muito, que sorte a deles! Os gatos que apareceram pelo caminho eram muito atrapalhados.

     

    - Que aventura acabamos de viver minha Ratinha.

     

    - Nem me fale Ratão, nunca tive tanto medo na vida.

     

    - Também tive muito medo, mas vencemos e estamos vivos, viva!

     

    Cansados de tantas aventuras, dormiram. Quando acordaram já haviam chegado ao sítio.

     

    - Nossa! Que lugar lindo, tranquilo e cheio de paz. – Falou Dona Ratinha.

     

    - Lindo mesmo, estou tão feliz, tão feliz!

     

    Seu Ratão e Dona Ratinha começaram a dançar, a cantar e a rirem muito, pois a felicidade deles era muito barulhenta.

     

    - Ah, minha Ratinha o que seria de mim sem seus incentivos, nunca conseguiria viver coisas novas, com tantos medos que existiam em mim.

     

    - Ah, meu Ratão! eu também tive muitos medos, mas a vontade de mudar foi maior que eles. E hoje estamos aqui, no lugar que sempre sonhamos estar, com lindas aventuras vividas e muitas histórias para contar.

     

    O tempo passou, Seu Ratão e Dona Ratinha logo se adaptaram a pequena cidade, o sítio era um lugar maravilhoso e logo tiveram muitos filhinhos que nasceram em um lugar silencioso, tranquilo e calmo. E a história que os filhinhos mais gostavam de ouvir os papais contarem, era a de dois ratinhos pequeninos, medrosos, que estavam tão decididos a viverem em um lugar diferente que enfrentaram até dois gatos gigantes, pois quando se quer realmente conquistar algo, não existe medo que seja maior do que o desejo verdadeiro!

     

    MINÉIA PACHECO

    www.mineiapacheco.com.br

    Nossa missão é transmitir valores através de contos infantis.




    Avatar









    02
    OUT

    Canta para mim mamãe! Naquela manhã de maio, Nina acordou um pouco desanimada, não queria sair da cama, queria passar o dia debaixo da coberta. Sua mãe já havia lhe chamado para o desjejum, mas ela não deu importância ao chamado, não estava disposta. - Nina! Venha logo, você vai se atrasar para a aula e eu para o trabalho. – Falo ...

    Canta para mim mamãe!

     

    Naquela manhã de maio, Nina acordou um pouco desanimada, não queria sair da cama, queria passar o dia debaixo da coberta. Sua mãe já havia lhe chamado para o desjejum, mas ela não deu importância ao chamado, não estava disposta.

     

    - Nina! Venha logo, você vai se atrasar para a aula e eu para o trabalho. – Falou a mãe.

     

    Mas Nina não tinha forças para falar e da cama não saiu.

     

    Sua mãe já preocupada com o atraso da filha, correu para o quarto dela e estranhou em vê-la ainda deitada na cama.

     

    - Mas filha, o que aconteceu com você hoje que ainda não levantou dessa cama?

     

    - Não sei mamãe, ela respondeu, não estou me sentido bem.

     

    A mãe tocou a testa da filha e se espantou!

     

      - Nossa Nina, você está muito quente! Vou ligar agora mesmo para o seu pediatra e pedir que ele receite algum remédio.

     

                Pouco tempo depois a mamãe chegou com o remédio, deu a Nina e falou:

     

      - Hoje você vai ficar de repouso em casa, vou ter que sair para trabalhar, mas sua avó está vindo ficar com você.

     

      - Tudo bem mamãe. – Nina falou.

     

    O dia passou, à noite, ao chegar em casa, a mamãe correu foi direto ao quarto para ver como Nina estava.

     

      - Ela não melhorou muito. – Falou a avó. Tomou os remédios que o pediatra receitou nos horários certos, porém, a febre não quer cessar.

     

                Nina estava dormindo, a mãe tocou no seu rostinho e sentiu que realmente a febre ainda estava muito alta. Ficou preocupada, e não saiu mais de perto da filha, velando seu soninho e rezando muito para que a febre passasse logo.

     

                Enquanto a mamãe estava ao seu lado, ela abriu os olhinhos e falou:

     

    - Canta para mim mamãe!

     

                Nina amava ouvir a mãe cantar para ela, era sua hora do dia favorita, pois todos os dias no caminho para a escola a mamãe cantava lindas canções e ela se sentia muito feliz.

     

      - Canto sim minha filha.

               

    Então ela começou a cantar belas canções que preenchiam o ambiente de alegria, amor e paz. A vó de Nina, ao ouvir a linda canção que vinha de seu quarto, parou o que estava fazendo e ficou na porta para ouvir e se encantar também.

     

                As canções vinham de forma espontânea e a mamãe cantou por muito tempo, foi lindo.

     

      - Mamãe, todo dia a senhora canta para mim, mas hoje foi surpreendente.

     

    - Nossa filha, pensei que você tivesse adormecido, espera, deixe-me ver se a febre cessou...

     

    - Passou sim mamãe, não sinto meu corpo mais quente como antes.

     

    - Que maravilha, passou mesmo!

     

    - Foram suas canções mamãe, elas me curaram.

     

    - Estou tão feliz em te ver bem minha filha querida.

     

    E as duas deram um enorme abraço.

     

                A vovó de Nina observava tudo da porta, emocionada, ela falou para si mesma: - Oração de mãe para um filho tem poder, e quando a mãe reza cantando, as bênçãos vêm em dobro. Feliz do filho que tem uma mãe que reza e canta por ele e para ele.

     

      - Posso entrar neste abraço? – Perguntou a vovó.

     

      - Claro que sim! – As duas falaram.

     

                E depois de tanto carinho, amor, atenção, oração e canção, a febre de Nina foi embora, para bem longe... e que não volte mais, nunca mais!

     

     

    MINÉIA PACHECO

    www.mineiapacheco.com.br

    Nossa missão é transmitir valores através de contos infantis.

     




    Avatar
















    INSTITUCIONAL

    Copiar essas ideias sem a permissão do autor é crime, pois isso configura uma forma de roubo e roubar ideias é plágio, e plágio é crime. Art. 184 – Código Penal

    © Copyright 2017 - Minéia pacheco. Todos os direitos reservados. O conteúdo deste site não pode ser reproduzido, distribuído, transmitido, ou usado, exceto com a permissão prévia por escritor.