• 16
    MAI

    CADA LIXO EM SEU LUGAR!



     
     
     
    Manoel era um garoto que se preocupava com o planeta em que vivia, ficava muito triste sempre que observava alguém jogando lixo no chão e não conseguia acreditar como nos dias atuais poderiam existir pessoas que agissem assim.
     
    No parque próximo a sua casa existiam coletores de lixo recicláveis, porém não serviam de nada, pois as pessoas não sabiam o lugar de cada lixo ou muitas vezes não se importavam e acabavam jogando o lixo em qualquer lugar mesmo.
     
    Manoel decidiu fazer a diferença naquele lugar e resolveu ensinar aos frequentadores do parque o lugar certo de cada lixo. Não seria uma tarefa fácil, mas pelo bem do seu planeta ele faria qualquer coisa.
     
    Primeiro ele ficou observando as pessoas e quando alguém jogava algo no chão ou colocava no coletor errado, ele rapidamente corria ao encontro da pessoa e explicava sobre a agressão que estavam fazendo ao planeta jogando lixo no chão, ou explicava o lugar certo de cada lixo nos coletores do parque:
     
    - No coletor azul devemos jogar papel, no amarelo metal, no vermelho plástico, no verde vidro e lixos que não são recicláveis devemos jogá-los no coletor marrom, simples assim!
     
    As pessoas sentiram-se motivas para ajudar Manoel e aos poucos o parque foi se tornando um exemplo com pessoas educadas e conscientes com o meio ambiente. Lixo no chão por lá? Nunca mais foi visto!
     
    E que sirva de lição que lugar de lixo é no lixo e que cada lixo tem seu lugar, se cada um fizer a sua parte muita coisa pode mudar, Manoel fez a diferença no parque que frequentava, basta ter força de vontade, pois fazer o que é certo não custa nada!
     
     
     
     
    Autora MINÉIA PAHECO







    Copiar essas ideias sem a permissão do autor é crime, pois isso configura uma forma de roubo e roubar ideias é plágio, e plágio é crime. Art. 184 – Código Penal

    © Copyright 2017 - Minéia pacheco. Todos os direitos reservados. O conteúdo deste site não pode ser reproduzido, distribuído, transmitido, ou usado, exceto com a permissão prévia por escritor.