• 22
    NOV

    MAMÃE PASSARINHO E SEUS FILHOTINHOS!


    Mamãe Passarinho e Seus Filhotinhos!

     

    Mamãe passarinho não via a hora de seus filhotinhos nascerem, cuidava com muito carinho dos ovinhos para que nada de ruim acontecesse com eles. Contava os dias, as horas, os minutos, tudo para que eles saíssem dos ovos; e depois, juntinhos, iriam voar felizes, como uma família feliz.

     

    Enfim, o grande dia chegou, e em meio ao lindo sol da manhã, os ovinhos foram quebrando, um por um, e os lindos passarinhos foram saindo, eram dois ovinhos no ninho; a mamãe passarinho não se continha de felicidade em vê-los ali bem pertinho dela, bem pequeninhos, seus filhotinhos.

     

    Logo começaram a chorar, estavam com fome. Então mamãe passarinho voou para procurar comida, mas antes falou:

     

    - Não saiam daqui, chego já com a comida!

     

    Mas mamãe passarinho estava demorando demais para voltar e os pequenos passarinhos não aguentaram a fome e foram sozinhos procurar alguma comida para poder saciar aquele vazio na barriga.

     

    Quando mamãe chegou com a porção de comida, não encontrou seus filhotinhos, ficou desesperada e saiu à procura deles. Voou, voou, e nada encontrou, voltou triste ao ninho, havia perdido seus tão queridos filhotinhos.

     

    Passava por ali uma bela coruja e a mamãe passarinho perguntou:

     

    - Dona coruja, você viu por aqui dois passarinhos novinhos?

     

    - Vi sim, eles estavam indo em direção ao ninho do gavião.

     

    - O QUÊ? Do gavião? – Perguntou assustada a mamãe passarinho.

     

    - Falei para eles que era muito perigoso, mas eles falavam que estavam com muita fome.

     

    - Vou lá agora...

     

    - Vou com você. – Falou a coruja.

     

    Chegando próximo ao ninho do gavião a mamãe passarinho observou o Senhor Gavião conversando muito próximo de um dos seus filhotinhos, ela procurou de longe o outro, mas não o viu.

     

    - Acho que um dos seus filhotinhos foi devorado pelo gavião. – Falou a coruja. É melhor a senhora ficar por aqui mesmo, pois acho que ele vai devorar o outro também.

     

    - Vou lá agora mesmo...

     

    - Se a senhora for também será devorada. Fique aqui!

     

    -  Vou salvar meu filhotinho!

     

    De longe a mamãe passarinho foi logo gritando com o gavião:

     

    - Deixe meu filhotinho em paz, seu gavião malvado!

     

    - Não fiz nada! – Falou o gavião.

     

    - Mas iria fazer... Onde está meu outro filhotinho, você o devorou?

     

    - Claro que não, ele está logo ali brincando com meus filhotinhos. Estava conversando com esse aqui para saber onde era o ninho deles, pois iria levá-los para lá.

     

    - Nossa, desculpe-me, pensei que você iria comê-lo.

     

    - De jeito nenhum Dona passarinho, também tenho filhotinhos, e sei o quanto os amamos. Não desejo para a senhora algo que não desejaria para mim. Iria levá-los salvos para o ninho. Eles vieram atrás de comida, os alimentei, e já estão mais calmos.

     

    - Muito obrigada Senhor Gavião... Esses filhotinhos são minha vida, ficaria muito mal se algo de ruim acontecesse com eles.

     

    - Não precisa agradecer, sei como é esse amor, também sinto o mesmo pelos meus filhotes. Agora preste mais atenção neles, não é todo dia que temos a sorte de encontrar um gavião bonzinho como eu.

     

    - Eu sei e terei muito cuidado com meus pequenos tesouros.

     

    E os três, mamãe passarinho e seus dois filhotinhos voltaram ao ninho, cansados, mas felizes por estarem juntos mais uma vez. Mamãe passarinho, com muito carinho, explicou que não devemos sair por aí sozinhos, sem a companhia da mamãe. Devemos ter paciência e sair apenas com sua autorização.

     

    E a coruja teve uma grande lição naquele dia, ela aprendeu que o AMOR de mãe é imenso e não se intimida com nada quando é para salvar seus filhos!

     

    MINÉIA PACHECO

    www.mineiapacheco.com.br

    Nossa missão é transmitir valores através de contos infantis.




     






    INSTITUCIONAL

    Copiar essas ideias sem a permissão do autor é crime, pois isso configura uma forma de roubo e roubar ideias é plágio, e plágio é crime. Art. 184 – Código Penal

    © Copyright 2017 - Minéia pacheco. Todos os direitos reservados. O conteúdo deste site não pode ser reproduzido, distribuído, transmitido, ou usado, exceto com a permissão prévia por escritor.