• 07
    MAI

    O MENINO E A FLOR!



    (Fonte das imagens: Google!)

    O menino e a flor!


    Uma criança com flores nas mãos perguntava as pessoas que passavam...

    - Por favor, senhor! Compra uma flor?

    - Agora não!

    Perguntava a outro...

    - Você compra uma flor?

    - Estou sem tempo!

    E a outro...

    - Você compra uma flor?

    -Não!

    Sem ninguém querendo comprar as flores ao menino, ele senta e começa a chorar...

    Uma senhora chega perto e pergunta:

    - Porque choras menino?

    - Ninguém quer comprar minhas flores. (respondeu o menino)

    - Mas porque você quer vender essas flores?

    - Domingo é o Dia das Mães e eu queria muito poder dar um bom presente para a minha.

    - Preste atenção garoto, mais importante que um bom presente é você demonstrar o quanto ama sua mãe. Você alguma vez já disse o quanto ama sua mãe ou alguma vez já disse o quanto ela é importante para você?

    -Não. (respondeu o menino)

    - Você alguma vez já chegou perto dela e deu aquele abraço dizendo que a amava?

    - Não.

    - Então, em vez de tentar vender essas flores, dê-as a sua mãe, junto com um enorme abraço e um sincero Eu Te Amo. Tenho certeza de que ela irá gostar bem mais desse seu gesto simples, mas sincero, a algum presente caro.

    - Muito obrigado senhora pelas suas palavras e experiência, estou bem mais feliz agora e posso sentir que minha mãe irá gostar muito!

    - Então não esqueça: Simples atitudes valem bem mais do que presentes muito caros.

    - Não vou esquecer... Mais uma vez obrigado!




    ((Crianças: Mais importante que dá presentes caros é saber demonstrar o quanto amamos nossas mães. Não só no dia das mães, mas todos os dias!))


    Por Minéia Pacheco!






    Copiar essas ideias sem a permissão do autor é crime, pois isso configura uma forma de roubo e roubar ideias é plágio, e plágio é crime. Art. 184 – Código Penal

    © Copyright 2017 - Minéia pacheco. Todos os direitos reservados. O conteúdo deste site não pode ser reproduzido, distribuído, transmitido, ou usado, exceto com a permissão prévia por escritor.